2017 A Lava Jato promete chegar com investigação no Espírito Santo

A conta leva em consideração as suspeitas sobre obras e desvios de dinheiro público que surgiram até agora

Quase três anos após o início da Operação Lava Jato, policiais federais e procuradores da República envolvidos nas investigações preveem desdobramentos em ao menos mais sete Estados em 2017, entre eles, o Espírito Santo.

A conta leva em consideração as suspeitas sobre obras e desvios de dinheiro público que surgiram até agora. Após o desmembramento do processo imposto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e o compartilhamento de informações com o Ministério Público de outros Estados, operações “filhotes” da Lava Jato já foram deflagradas em São Paulo, Rio, Goiás, Pernambuco, Rondônia e no DF.

A expectativa da força-tarefa é de que, com a delação de executivos e ex-executivos da Odebrecht, o número de operações dobre.

Apenas nos documentos apreendidos na 35ª fase da Lava Jato, a Omertà, os investigadores encontraram e-mails e pedidos de pagamento via Setor de Operações Estruturadas, batizado como “departamento de propinas”, atrelados a 27 projetos espalhados em 11 Estados: RJ, SP, BA, RS, PE, RN, PR, CE, PI, GO, e ES.

São obras que vão desde a expansão do metrô em São Paulo e no Rio aos estádios da Copa em Pernambuco, Rio e Bahia. Não foi divulgado qual projeto será alvo de apuração no Espírito Santo.

Segundo o jornal “O Estado de São Paulo”, a investigação mira o sistema de esgotamento sanitário.

A Cesan, não citada nas matérias veiculadas na imprensa, “reitera toda a lisura e transparência do programa que ampliou o abastecimento de água e os serviços de coleta e tratamento de esgoto em praticamente todos os 52 municípios atendidos pela Companhia. Foram 82 obras e inauguradas Estações de Tratamento de Esgoto, o que ocasionou um aumento de 79% na capacidade de tratamento”.

Em nota, a companhia diz que “o Comitê Diretivo do Programa foi bastante criterioso com todo o trâmite legal exigido, seguindo integralmente as orientações do BIRD (Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento), instituição internacional que financiou o Programa. A empresa informa que está à disposição das autoridades para prestar quaisquer informações”.

PAGAMENTOS

Segundo o Ministério Público Federal, os 77 delatores da Odebrecht já se comprometeram a entregar pagamentos indevidos em cerca de 100 projetos espalhados pelo Brasil e outros 13 países.

Além de inquéritos nos locais onde as obras foram realizadas, investigadores esperam uma espécie de “efeito colateral” das delações em outras empreiteiras. Advogados já foram avisados de que ao menos a Camargo Corrêa e a Andrade Gutierrez terão seus acordos revistos para inclusão de novos fatos narrados pelos executivos da Odebrecht.

Além disso, estão na fila de negociações para acordos com a PGR a Mendes Júnior, a Delta Engenharia, a EIT Engenharia, a Galvão Engenharia e a OAS. (Com informações da Agência Estado)

COMPARTILHE